domingo, 1 de julho de 2012

Quanto mais irritada, enervada estou mais baixo e pausadamente falo. O mesmo se aplica ao que escrevo. São raros os textos que escrevo que vêm da minha irritação. São raros os maus momentos em que acho que vale a pena deixar para a posteridade. 
Contudo, há momentos, que por muito enervantes, irritantes, maus que possam ter sido devem ficar recordados. Quase como uma cicatriz para nos lembrar.
Daí, às vezes, os meus textos são escritos baixinho, quase em silêncio e bem devagar. Quase como se ponderasse carregar em cada tecla do teclado. Como se cada letra, marca de pontuação fosse fazer ainda mais diferença. Assim como quando falo nesses momentos. Cada palavra e a sua entoação são pensadas e calculadas de forma a que o meu interlocutor perceba que algo está errado. 
.
.
.
.
.
.
.
E no meio disto tudo já não sei o que quero dizer....

2 comentários:

Luís Parttime disse...

o que é dito no calor do momento, fica marcado para sempre! Por isso é sempre melhor esperar antes de falar/escrever!

BubbleGum disse...

Esperar é bom, mas às vezes explodir é ainda melhor.
Ponderação acima de tudo.